sexta-feira, 23 de janeiro de 2009


cinzas I



não sabia que o céu podia ter essas cores. na verdade, eu nem sequer sabia que ele tinha cores. imaginava algo pálido, desbotado, simplesmente imperceptível. não tinha vontade de olhar para ele, de sair e sentir o que ele tinha para mostrar e para oferecer. mas hoje eu sai. desliguei a televisão, deixei as garrafas em cima da mesa, peguei a chave e saí andando. o céu estava lá.

o céu estava lá e era escuro. preto. nuvens se movimentando, provocando um vento gélido apesar de muito leve. preto o céu. preto não, acinzentado. provavelmente ia chover. provavelmente ia chover forte. mas o céu estava preto, acinzentado, escuro. talvez querendo expulsar alguma coisa que o incomodava, talvez se revoltando porque eu resolvi olhar para ele. mas eu olhei e não vi nada. ele estava escuro, e eu não sabia que ele podia ter essas cores. melhor se esconder em algum lugar.

a praça estava no mesmo lugar de sempre. era estranho como o céu muda suas cores, fica acinzentado, escuro, e a praça continua no mesmo lugar e com a mesma forma. e eu continuo com a mesma forma. a barba não cresce mais. os olhos não abrem mais. o pulmão nem reclama do cigarro de toda hora. já deve ter desistido. como a praça deve ter desistido há muito, muito tempo de fazer algo contra essas cores do céu.

não sabia que o coração podia ter essas cores. eu estou aqui, na praça, só lembrando do fracasso. de cada texto que nunca foi aceito. dos papéis rabiscados sem nenhum sentido. das tardes perdidas em qualquer motel vagabundo em troca de algum calor humano. simplesmente porque hoje eu sai. desliguei a televisão, deixei as garrafas em cima da mesa, peguei a chave e saí andando. o coração não estava lá.

não estava lá. não havia nada lá. a praça, o parque, o motel, as casas, todos pareciam sempre tão iguais. não mudavam. o céu mudava, eles não. acho que, no fundo, tudo era como o céu. cinza, queimado, precisando chover. não interessa onde tudo estivesse, certamente estaria escuro, desconhecido, inalcançável.

6 Comentários:

Blogger Pâmela disse...

É muiro ruim quando dentro de nós mesmos está preto.
Mas acho que você (cinzas) sempre foi assim. E, quando tudo melhorar, você deixa de existir.
Taí, gostei da ideia de um blog só pra você. O lado negro. Ou não.
Aposto como vou ler muitos textos introspectivos, densos e tristes.
Ou não.
Beijo!

23 de janeiro de 2009 16:30  
Blogger carol. disse...

acho que, no fundo, tudo era como o céu. cinza, queimado, precisando chover.

genial. amei. chorei.

24 de janeiro de 2009 09:43  
Blogger Deborah disse...

MEU DEUS! nem pra me avisar... eu nem li, mas estou tããããão feliz que postaram a primeira coisa no nosso santo bloguinho :]

24 de janeiro de 2009 18:11  
Blogger Pedro disse...

E a gente vai tentando colorí-lo com nossas próprias tintas.

25 de janeiro de 2009 06:49  
Blogger Ana Rute disse...

muito bom muito bom!
finalmente ne debz?

26 de janeiro de 2009 04:58  
Blogger Gabriele Fidalgo disse...

Genial, genial!

eu acho que você vai longe!

beijo

30 de janeiro de 2009 13:54  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial

_____________________________________